sexta-feira, 14 de novembro de 2014

ANIVERSÁRIO DE 19 ANOS DO SINDICLUBES DE MINAS GERAIS

Na noite de quinta-feira, 13 de novembro de 2014, na sede social da ASE/JF, foi realizada mais uma reunião mensal do Sindiclubes/MG, sob a presidência do competentíssimo amigo Marcelo Guedes Barra.



Na pauta dois assuntos de extrema importância foram tratados para alegria de todos os presentes.




O presidente Marcelo Barra abriu os trabalhos e de imediato passou a palavra ao secretário adjunto de Governo da Prefeitura de Juiz de Fora, Paulo Noronha Gutierrez, que informou a todos os presentes que o prefeito Bruno Siqueira encaminharia na próxima semana uma mensagem a egrégia Câmara Municipal que trata do encontro de contas entre a prefeitura e os clubes da cidade que têm pendências junto ao tesouro municipal devido a dívida do IPTU. Enfim, após sete anos de lutas o assunto será resolvido.


A palavra foi passada para o mesatenista Alexandre Ank que falou sobre suas conquistas no ano de 2014 e agradeceu os apoios recebidos.

Alexandre Ank e Marcelo Barra

A seguir foram feitas homenagens aos aniversariantes do mês e duas homenagens especiais. Uma a competente secretaria do Sindiclubes/MG, Elizabeth Ank, e uma segunda ao presidente da ASE/JF, Jairo Lauro.

Presidente Marcelo Barra e o aniversariante do mês José Maria Veloso, presidente do Esporte Clube São Carlos





O segundo assunto de importância da noite foi o último, por se tratar da comemoração pela passagem dos 19 anos de fundação do Sindiclubes/JF. O presidente Marcelo Barra fez um breve relato de como foi a ideia de criação do sindicato e prestou justas homenagens ao seu idealizador, João de Souza, e ao saudoso Cel Saint'Clair.



Os amigos Waltencir Fávero e Beth Ank procederam o já tradicional sorteio de brindes entre os convidados presentes, após foi cantado o parabéns pelos 19 anos de fundação do Sindiclubes/JF e por final deu-se iniciou a confraternização sendo servido um jantar.



Desejamos ao presidente Marcelo Barra, sua diretoria e funcionários os nossos parabéns pelos 19 anos de fundação do Sindiclubes/JF.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Carro de tenente da Aeronáutica desaparecida é encontrado ao lado de restos mortais

Danilo Emerich - Hoje em Dia

Reprodução/Facebook
Tenente da aeronáutica Mirian Tavares
O carro da tenente da Aeronáutica Mirian Márcia Rodrigues Tavares, que está desaparecida desde maio deste ano, foi encontrado na tarde desta quarta-feira (12), no km 46 da BR-356, na altura de Serra de Itabirito, na região Central de Minas gerais. Uma ossada, que seria da mulher, também foi localizada próximo do veículo, mas a confirmação se os restos mortais são da militar só será possível após análises da Polícia Civil, devido ao avançado estado de decomposição.
 
O carro,  um Fiat Palio Cinza, placa HNY-3582, foi encontrado por dois funcionários de uma empreiteira que realiza uma obra de um muro de arrimo para contenção em frente a uma ribanceira. Eles esperavam um ônibus para ir para Itabirito e viram um brilho na mata. Eles desceram o barranco e encontraram o veículo e alguns documentos da tenente. No entanto, eles não sabiam do que se tratava. A dupla subiu novamente para a estrada e foi até um posto da Polícia Militar Rodoviária (PMRv) e comunicaram a descoberta.
 
Os militares voltaram com os operários no local e encontraram a ossada. A partir, o Corpo de Bombeiros e Polícia Civil foram acionados.
 
A ossada, que estava com um vestido, estava a 10 metros do carro. A suspeita é que o corpo tenha sido arremessado no possível acidente. Um segundo automóvel, um Renaul Megane, também foi localizado na área, mas ele estaria há mais tempo no local e não teria relação com o caso da tenente.
 
Carro de tenente desaparecida é encontrado
Bombeiros descem ribanceira para chegar até carro de tenente. (Foto: Wesley Rodrigues / Hoje em Dia)
 
Desaparecimento
 
A tenente da Aeronáutica Mirian Márcia Rodrigues Tavares desapareceu em 3 de maior, após deixar sua casa no bairro Prado, região Oeste de Belo Horizonte. De acordo com a Polícia Civil, ela saiu da residência levando apenas o carro e o documento do automóvel.
 
A tenente chegou a fazer um depósito para a irmã antes de sumir e que deixou uma carta para a família. O recado seria um anúncio de suícidio. O teor do recado não foi divulgado. Segundo informações da Divisão de Referência da Pessoa Desaparecida, as últimas ligações feitas pela tenente estão sendo investigadas e sua conta bancária monitorada. 
 
A assessoria da Aeronáutica esclareceu que a integrante da corporação desaparecida atuava como engenheira eletricista na Subdivisão de Infraestrutura do CIAAR. Ela estava há cerca de seis meses a serviço da Força Aérea Brasileira, que também dá auxílio nas buscas. Além disso, a militar A militar foi inserida na lista "Difusão Amarela" da Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol), que busca por pessoas desaparecidas ou impossibilitadas de se identificarem nos 190 países abrangidos pela instituição.
 
* Atualizado às 19h10

http://www.hojeemdia.com.br/horizontes/carro-de-tenente-da-aeronautica-desaparecida-e-encontrado-ao-lado-de-restos-mortais-1.281621

OAB quer afastamento imediato de juiz que deu ordem de prisão à ex-agente da Lei Seca

POR 

RIO - Os conselheiros da OAB decidiram reagir contra a decisão de desembargadores da 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, que mantiveram a condenação da agente da Lei Seca Luciana Silva Tamburini. A jovem terá que pagar R$ 5 mil por danos morais ao juiz João Carlos de Souza Correa. Ele foi parado em uma blitz da Lei Seca em fevereiro de 2011 e se apresentou como juiz. Ele dirigia um Land Rover sem placa e documentação, além de não estar com a habilitação. Luciana, que trabalhava como agente da operação, retrucou, dizendo “você é juiz, mas não é Deus”, e recebeu, em seguida, ordem de prisão do juiz por entender que ela o desacatou.

Segundo os conselheiros, aquele juiz incorpora o distanciamento e encastelamento de parte do judiciário que ainda se comporta de forma arbitrária, como se vivesse na ditadura. Eles decidiram entrar com pedido de afastamento imediato do juiz ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ). E também pretendem fazer uma ação conjunta de entidades para uma campanha nacional para denunciar abusos de magistrados que desrespeitam a Constituição.

— Vamos elaborar uma peça com todas as denúncias para pedir ao CNJ o afastamento do juiz João Carlos — afirmou o presidente da OAB- RJ , Felipe Santa Cruz .

Os conselheiros aprovaram também uma nota de moção para cobrar uma “republicanização” do Judiciário do Rio.

O acórdão foi estabelecido nesta quarta-feira. Os magistrados da 14ª Câmara seguiram as decisões do relator, o desembargador José Carlos Paes, do dia 22 de outubro. Ainda cabe recurso.

"(...) Não se olvide que apregoar que o réu era “juiz, mas não Deus”, a agente de trânsito zombou do cargo por ele ocupado, bem como do que a função representa na sociedade. (...) Em defesa da própria função pública que desempenha, nada mais restou ao magistrado, a não ser determinar a prisão da recorrente, que desafiou a própria magistratura e tudo o que ela representa. (...) Por outro lado, todo o imbróglio impôs, sim, ao réu, ofensas que reclamam compensação. Além disso, o fato de recorrido se identificar como Juiz de Direito, não caracteriza a chamada ‘carteirada’, conforme alega a apelante", diz um trecho da decisão.

Após tomar conhecimento de que seu recurso foi negado pela 14ª Câmara, Luciana afirmou que vai recorrer “até ao tribunal de Deus” para reverter a decisão desta quarta-feira.

Aécio é aprovado no teste do avião - Vôo da GOL decolou com atraso.

POLÍTICA

12/11/2014 19:53

Ricardo Noblat
- Isto é uma pegadinha? – espantou-se a mulher ao olhar para o homem sentado na cadeira do corredor da terceira fila do voo 1488 da GOL, que decolaria ontem, no meio da tarde, do aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, com destino a Brasília.
- Pegadinha, como? – perguntou o homem, sorrindo.
- O senhor é a cara de Aécio – observou a mulher.
- Eu sou Aécio – o homem respondeu.
Instalou-se então a confusão, que acabou por atrasar a decolagem. Bem mais da metade dos passageiros que quase lotavam o avião fez questão de cumprimentar o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e de tirar fotos junto com ele.
Outra mulher comentou depois de abraçar Aécio:
- Você está por aqui? Não acredito.
Um homem idoso apertou a mão de Aécio e disse:
- Aécio, é você? Chorei muito quando você perdeu a eleição.
Entre uma foto e outra com o senador, uma jovem tascou:
- Nossa, você é muito bonito. É mais bonito do que na televisão.
A tripulação teve trabalho para conseguir que as pessoas ocupassem seus assentos. Antes que o avião decolasse, por três vezes, e a curtos intervalos, passageiros gritaram o nome de Aécio provocando aplausos.
Na descida do avião em Brasília, o comandante falou aos passageiros por meio do sistema de som:
- A GOL sente-se honrada em transportar o senador Aécio Neves, futuro presidente do Brasil.
Novamente Aécio foi aplaudido. E por último foi aplaudido ao se levantar para desembarcar, olhar para os fundos do avião e dizer:
- Obrigado pelo carinho, pessoal.
Aécio Neves (Foto: Arquivo Google)Aécio Neves (Imagem: Arquivo Google)

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

POLÍTICOS REVELAM ‘HOMEM DA MALA’ DO JBS/FRIBOI

JOESLEY, O ‘REI DO GADO’, FEZ DE RICARDO SAUD  O ‘HOMEM DA MALA’ DO JBS/FRIBOI NAS ELEIÇÕES.

Ayrton Vignola Estadao Conteudo - Joesley Batista e Ricardo Saud JBS Friboi copy
Joesley Batista, presidente do grupo JBS/Friboi e Ricardo Saud, o executivo da JBS. Foto Ayrton Vignola/Estadão Conteúdo e Captura
O Tribunal Superior Eleitoral contabiliza R$ 253 milhões em doações do Grupo JBS/Friboi à campanha de 2014, considerando só o que foi registrado oficialmente. O operador do dinheiroduto e executivo do JBS, Ricardo Saud, ganhou apelidos como “Homem da Mala” ou “Homem do Rodízio”. Representando Joesley Batista, o “rei do gado”, que preside o JBS, ele adquiriu acesso à intimidade do poder, organizando churrascos na residência oficial do presidente do Senado, Renan Calheiros.
Participam de churrascos na casa de Renan senadores como Eduardo Braga (AM), Vital do Rêgo (PB) e Romero Jucá (RR), todos do PMDB.
Deputados e senadores dizem que o JBS seguiu orientação da cúpula do PT, e Ricardo Saud – que ontem esteve em Alagoas – executava.
A ascensão do JBS coincide com a chegada do PT no poder. Na era Lula, o BNDES comprou 24,6% do JBS e injetou nele R$ 10,5 bilhões.
O Grupo JBS informou que Joesley Batista, o “rei do gado”, não falará sobre isso e negou enfaticamente “doações não contabilizadas”. Leia na Coluna Cláudio Humberto.
http://www.diariodopoder.com.br/noticias/politicos-revelam-homem-da-mala-do-jbsfriboi-2/

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Para oposição, Dilma fez ‘confissão de falência’

Por Josias de Souza

Pedro França/Ag.Senado
Líder do PSDB no Senado e ex-candidato a vice de Aécio Neves, o senador Aloysio Nunes Ferreira anunciou no plenário do Senado: a oposição votará contra a proposta encaminhada por Dilma Rousseff para que o Congresso autorize o governo a descumprir a meta de economia de gastos para o ano de 2014.
Aloysio recordou que o governo comprometera-se em poupar 1,9% do PIB. Em reais, seriam reservados para o pagamento da dívida pública algo como R$ 116 bilhões. Porém, acumula-se neste ano não um superávit de caixa, mas um rombo. Entre janeiro e setembro, o buraco passou dos R$ 15 bilhões.
“A divulgação desse estouro nas contas públicas vem agora confirmar que o governo é irresponsável na gestão das finanças públicas”, discurso o líder tucano. “E a presidente encaminha para o Congresso a confissão dessa falência, que é esse projeto de lei que pede, de certa forma,  uma anistia ao Congresso Nacional: 'Olha, eu errei, gastei mais do que eu arrecadei, descumpri a lei, agora peço aos senhores congressistas que me perdoem'. Não, da nossa parte não terá perdão não. Vamos votar contra.”
De passagem pelo Congresso, a ministra Miriam Belchior disse que o governo fará o maior superávit primário possível. Que pode ser superávit nenhum. Ou até um déficit.
http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2014/11/11/para-oposicao-dilma-fez-confissao-de-falencia/

Marta saiu como navio que abandonou os ratos

Por Josias de Souza

Já estava previsto que Marta Suplicy deixaria o Ministério da Cultura para retomar o mandato de senadora. O que surpreendeu foi o método. Marta executou uma coreografia bem ensaiada. Teve três atos:
1. Marta mandou entregar sua carta de demissão no protocolo do Palácio do Planalto nesta terça-feira (11), num instante em que Dilma se encontrava no estrangeiro, a caminho da reunião do G 20, na Austrália. Se quisesse, poderia ter repassado o texto diretamente à companheira-presidenta, que estava em Brasília na véspera.
2. Em condições normais, caberia ao Planalto divulgar a carta da ministra demissionária. No padrão adotado sob Dilma, os ministros que saem são brindados com notas elogiosas da presidente, mesmo quando os elogios são imerecidos. Marta dispensou os afagos da chefa. Preferiu jogar, ela própria, a carta de demissão no ventilador —no site do ministério e nas redes sociais.
3. O texto da carta de Marta tem oito parágrafos. Sete foram feitos de gordura. O miolo da picanha está no penúltimo parágrafo: “Todos nós, brasileiros, desejamos, neste momento, que a senhora seja iluminada ao escolher sua nova equipe de trabalho, a começar por uma equipe econômica independente, experiente e comprovada, que resgate a confiança e credibilidade ao seu governo e que, acima de tudo, esteja comprometida com uma nova agenda de estabilidade e crescimento para o nosso país. Isto é o que hoje o Brasil, ansiosamente, aguarda e espera.”
O que Marta escreveu, com outras palavras, foi o seguinte: o governo perdeu a credibilidade e não tem agenda. Comprometeu a estabilidade da moeda e o crescimento da economia. A recuperação depende da qualidade do ministério que está por vir, especialmente da equipe econômica.
Considerando-se a forma, Marta não quis fazer de sua saída um ato administrativo. Ela converteu o trivial num ato político. Levando-se em conta o conteúdo, a agora ex-ministra desejou passar a impressão de que não perdeu nada. Caprichou tanto que ficou parecendo que ela se sente como um navio que abandonou os ratos.
http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2014/11/11/marta-saiu-como-navio-que-abandonou-os-ratos/

Marta Suplicy disse em público que o governo Dilma está nu

Por Fernando Rodrigues

Demissão da ministra da Cultura mostra o PT fracionado
2015 será o pior ano do partido desde sua chegada ao poder
Petistas estão sem rumo para alinhar a sucessão de 2018
Aaron Cadena Ovalle/Efe - 9.set.2014
Desde a chegada de Luiz Inácio Lula da Silva ao Palácio do Planalto, em 1º.jan.2003, nunca um ministro do PT saiu da cadeira chutando tantas portas como Marta Suplicy, que entregou sua carta de demissão nesta terça-feira (11.nov.2014).
No trecho mais explosivo de sua carta, Marta escreveu: “Todos nós, brasileiros, desejamos, neste momento, que a senhora [Dilma Rousseff] seja iluminada ao escolher sua nova equipe de trabalho, a começar por uma equipe econômica independente, experiente e comprovada, que resgate a confiança e credibilidade ao seu governo e que, acima de tudo, esteja comprometida com uma nova agenda de estabilidade e crescimento para o nosso país”.
Como é senadora pelo PT de São Paulo, Marta terá pela frente mais 4 anos de mandato para azucrinar a vida do Palácio do Planalto.
Quem olha de fora e não acompanha política poderá dizer: “Qual é a importância política da saída da ministra da Cultura? Nenhuma”. É um erro pensar dessa forma e minimizar esse fato. Trata-se do sinal mais relevante e eloquente desta fase pós-eleitoral. A saída de Marta sintetiza a seguinte conjuntura:
1) PT fracionado: o partido da presidente da República tem várias alas insatisfeitas a respeito da forma como o governo vem sendo tocado. Marta representa uma dessas facções, de tamanho não desprezível: ela foi eleita senadora em 2010 com8.314.027 votos.
Marta raramente esteve à vontade para conversar sobre política com Dilma. É verdade que a agora ex-ministra da Cultura cometeu um erro tático ao defender em público, no primeiro semestre deste ano, a volta de Luiz Inácio Lula da Silva.
Só que Dilma venceu a eleição. O que teria custado ter uma atitude magnânima e chamar os petistas que viraram o nariz para ela durante a campanha? Ocorre que a presidente reeleita preferiu se isolar ainda mais após a vitória. Apesar do discurso protocolar de governar com e para todos, sua atitude exalou um recado diferente: “Os incomodados que se retirem”.
Quem governa com o fígado acaba tornando os problemas maiores do que já são. Dilma pode odiar Marta Suplicy. Faz parte. Mas a ministra demissionária pertence ao PT e agora será por muito tempo uma voz discordante no Senado –o Palácio do Planalto poderia ter evitado esse desfecho, mas deixou tudo correr solto.
Como consequência, em 2015, o PT começará seu pior ano (em termos de coesão interna) desde a chegada ao poder, há 12 anos;
2) 2018 em aberto: tudo o que um presidente da República não precisa é começar um novo mandato com a sua sucessão completamente em aberto. Hoje, no PT, não há o menor consenso a respeito de quem poderia ser o nome para disputar o Planalto em 2018. Pior do que isso. Começam a aparecer teses como a do governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT), que sugere uma frente de esquerda escolhendo um candidato presidencial não necessariamente petista.
Nesse ambiente, o partido gastará energia numa disputa interna fratricida em prejuízo do segundo mandato de Dilma Rousseff;
3) Base aliada desarranjada: o PT é o maior partido da Câmara a partir de 2015, mas terá apenas 69 deputados – só 3 a mais do que os 66 do PMDB. Um peemedebista, Eduardo Cunha (RJ), é hoje o candidato mais forte a presidir a Câmara, mesmo sendo um desafeto de Dilma Rousseff.
Em fevereiro de 2015, Dilma terá de enfrentar um cenário que combinará a) uma economia ainda anêmica (ou em recessão) e b) a chegada oficial ao Congresso de todas as acusações contra políticos aliados do governo no escândalo da Petrobras.
Como Dilma Rousseff poderia contornar todo esse cenário adverso? No curto prazo, terá de “obedecer” Marta Suplicy e nomear “uma equipe econômica independente, experiente e comprovada, que resgate a confiança e credibilidade ao seu governo”. Só que o efeito psicológico inicial será diluído ao longo do tempo. Não haverá consequência prática a ser sentida pelos brasileiros, que continuarão a viver num clima de crescimento medíocre da economia (ou até de recessão).
No fundo, resta a Dilma Rousseff torcer para que o país retorne rapidamente a uma rota de crescimento mais acelerado – pois aí terá sua popularidade resgatada e o apoio político no Congresso então se materializa por decantação.
Ocorre que esse cenário mais tranquilo para Dilma só existe nas análises edulcoradas de alguns governistas.
A verdade é a que Marta Suplicy deixou explícita em sua carta: mostrou que o governo de Dilma Rousseff está nu neste momento.
http://fernandorodrigues.blogosfera.uol.com.br/2014/11/11/marta-suplicy-disse-em-publico-que-o-governo-dilma-esta-nu/

Três celulares da extinta Nokia que marcaram época, você já deve ter tido um deles.

Nesta terça-feira, a Microsoft lança seu primeiro celular sem a marca Nokia, por isso listamos alguns modelos marcantes da extinta fabricante finlandesa. O 1100 tinha lanterna, “jogo da cobrinha" e bateria que durava semanas. Lançado em 2003, o aparelho mantém o título de telefone celular mais vendido da história, com 250 milhões de unidades.

O N95 era sonho de consumo de dez entre dez aficionados por tecnologia até a chegada do iPhone, da Apple, que mudou radicalmente o mercado de celulares. Lançado em março de 2007, o aparelho da Nokia tinha câmera com 5 megapixels, um luxo para a época, e podia até mesmo fazer videoconferência com a câmera frontal.

A Nokia demorou a disputar espaço entre os smartphones, tomou a controversa decisão de abraçar o sistema Symbian e, depois, o Windows, mas também fez belos produtos. O Lumia 1020, lançado no ano passado, é até hoje o celular com a melhor câmera do mercado com impressionantes 41 megapixels de resolução.

http://oglobo.globo.com/sociedade/tecnologia/tres-celulares-da-extinta-nokia-que-marcaram-epoca-14501974?utm_source=Facebook%20&utm_medium=Social%20&utm_campaign=O%20Globo

Queda de avião em Minas Gerais mata dois

Diário de Jequi / Divulgação
Pelo menos duas pessoas morreram em uma queda de avião, na tarde desta segunda-feira (10), em uma mata próximo a cidade de Bandeira, na região do Vale do Jequitinhonha, na divisa entre Bahia e Minas Gerais.
 
Segundo a Polícia Militar de Almenara, o bimotor bateu em uma serra, na Mata do Passarinho, a oito quilômetros de Bandeira. Estaria chovendo na hora do acidente. O encontro do avião ocorreu horas após o pedido de resgate, comunicado pela aeronáutica em Recife (PE).
 
O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou a ser acionado, mas o piloto e um passageiro foram encontrados mortos no local. Uma das vítimas foi identificada como Lucas Henrique Lima, morador de Salvador (BA).
 
A assessoria de imprensa da Força Aérea Brasileira (FAB) informou que identificou um sinal de emergência emitido pela aeronave, mas não soube dizer o que causou a queda. O órgão investigará o acidente.
 
* Atualizada às 21h40

http://www.hojeemdia.com.br/horizontes/queda-de-avi-o-no-vale-do-jequitinhonha-mata-dois-1.281167

Empresário juizforano preso na operação ‘Athos’ é solto

Foi solto no último sábado, um dos presos durante a operação “Athos”, deflagrada pela Polícia Federal, que desarticulou uma das maiores quadrilhas de tráfico internacional de drogas do país. Conforme a assessoria da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), o empresário Aurélio David Salgado foi posto em liberdade mediante alvará de soltura.
Ele estava acautelado na Penitenciária Ariovaldo Campos Pires, no Linhares, desde quando começaram as oitivas do caso, no fim do mês passado. Anteriormente, estava detido na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem. Aurélio é apontado nas investigações da Polícia Federal como um dos braços financeiros da quadrilha. Os outros 14 detidos na manobra continuam presos, entre eles o ex-titular da Vara de Execuções Criminais da cidade, o juiz Amaury de Lima e Souza.
As oitivas do processo originado da operação “Athos” continuam acontecendo na Justiça Federal.
http://www.tribunademinas.com.br/empresario-preso-na-athos-e-solto/

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

ASSOCIAÇÃO DAS ENTIDADES CARNAVALESCAS DE JUIZ DE FORA - CONVITE


REUNIÃO MENSAL DO SINDICLUBES EM JUIZ DE FORA


Suspeita de fraude no Bolsa Família em sete cidades mineiras

Por Bruno Moreno

Carro e moto na garagem, vaca no pasto, grãos maduros nos pés de café nas lavouras, emprego como vereador, renda superior a meio salário mínimo por pessoa em casa. Se um brasileiro chegasse para fazer o cadastro no Programa Bolsa Família com qualquer um dos itens acima, na prefeitura da cidade em que mora, nem começaria a se inscrever, teoricamente. Mas em pelo menos sete municípios do interior de Minas isso foi possível.

É o que aponta um relatório da Controladoria Geral da União (CGU), que encontrou possíveis irregularidades na condução do programa, em que algumas pessoas com essas características estavam recebendo os benefícios.

Nos relatórios da CGU divulgados recentemente foram auditadas as cidades de Itacarambi, Caetanópolis, Guimarânia, Córrego Danta, São Roque de Minas, Rio do Prado e Coronel Murta. Nessas cidades, aproximadamente 6.400 famílias recebem o benefício do programa, e a CGU encontrou indícios de irregularidades em menos de cem.

Hoje em Dia entrou em contato com todas as prefeituras, mas apenas quatro responderam.

O chefe de gabinete da Prefeitura de São Roque de Minas, Wilson Soares Pereira, disse que cerca de 30 famílias, das aproximadamente 380 que recebem o Bolsa Família no município, já foram excluídas do programa, e que será feito um recadastramento. Segundo Wilson, nenhuma delas tinha vínculo empregatício com a prefeitura.

Ele explicou que muitas famílias têm migrado de faixa de renda e que poderiam ter devolvido o cartão. São diaristas e lavradores, por exemplo, que fazem o cadastro, melhoram de vida e continuam a receber o benefício, apesar de não mais cumprirem as exigências do programa.

Isso ocorre, segundo Wilson, porque apenas dois funcionários trabalham no setor na prefeitura, e não é possível realizar recadastramentos frequentes. O recadastramento das famílias é feito a cada dois anos, por amostragem. Segundo Wilson, com essa metodologia, várias famílias já foram excluídas do programa, antes mesmo do relatório da CGU.

Informalidade

O assessor jurídico da prefeitura de Córrego Danta, Mateus Botinha, disse que a atual administração cancelou alguns cartões que estavam irregulares. Entretanto, reconheceu que um dos grandes problemas encontrados é que as famílias são as responsáveis pelas informações da renda.

“Na maioria das vezes, como não há como comprová-la documentalmente dada a informalidade das atividades que eventualmente geram renda, estas famílias omitem informações importantes para assim obterem o benefício”, reconhece.

A procuradora de Guimarânia, Lorena Resende, afirmou que o relatório da CGU foi feito com base na administração anterior, e que os problemas serão sanados. Já a prefeitura de Caetanópolis informou que encaminhou a demanda para a secretaria Municipal de Assistência Social e ao Setor de Benefícios de Prestação Continuada, para análise e posterior posicionamento.

Falta índice

Nem a CGU nem o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) têm um número das fraudes ao Bolsa Família no Brasil ou em Minas. Entretanto, o MDS informou que realiza cruzamento de dados periodicamente para evitar que situações ocorram. De acordo com o MDS, quando há suspeitas de fraudes, os benefícios são primeiramente analisados e podem ser bloqueados ao longo da apuração.

Condições para ser beneficiário

A legislação que trata do Programa Bolsa Família determina que a concessão dos benefícios dependerá do cumprimento de condicionalidades relativas ao exame pré-natal, ao acompanhamento nutricional, ao acompanhamento de saúde, à frequência escolar de 85% em estabelecimento de ensino regular. Além disso, um dos principais requisitos para que a família seja beneficiária é não ter renda per capita superior a meio salário mínimo (R$ 362,00). O valor médio do benefício das famílias em situação de extrema pobreza é de R$ 242. O valor pago por família varia de acordo com a severidade da pobreza.

Vereador mantinha vínculo com programa

Em Itacarambi, no Norte de Minas, há aproximadamente 2.300 beneficiários do Programa Bolsa Família. Mas um deles chamou a atenção dos auditores da Controladoria Geral da União (CGU).

Uma das famílias que estava recebendo o benefício não morava mais na cidade. No cruzamento de dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), foi verificado que o cônjuge da responsável familiar havia sido eleito vereador na cidade vizinha de Miravânia, distante 70 quilômetros.

Outro caso curioso na cidade, descoberto também com o cruzamento de dados da Rais, foi de uma família que havia se mudado para Marabá, no Pará, há 1.678 quilômetros de distância, mas que ainda continuava com o cadastro ativo.

Somente após a visita da assistente social foi constatado que a família não morava mais no município.

Carros e vacas

Já em São Roque de Minas, no Alto Paranaíba, alguns beneficiários foram flagrados pela fiscalização da CGU com automóveis na garagem e renda per capta superior à máxima estabelecida pelas normas do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS).

Havia até mesmo um proprietário rural com várias cabeças de gado, produção de leite e lavoura de café.

http://www.hojeemdia.com.br/noticias/suspeita-de-fraude-no-bolsa-familia-em-sete-cidades-mineiras-1.280949

Exército apresenta Sisfron e detalha operação de vigilância forte na fronteira

Sistema é um projeto comandado pelo Exército, com amplitude nacional    Coletiva detalhou funcionamento do Sisfron que fará vigilância forte na fronteira em MS e MT (Foto: Victor Chileno)

O Exército Brasileiro apresentou hoje em Campo Grande detalhes do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteira (Sisfron), que será lançado oficialmente no próximo dia 13 de novembro em Dourados, no Centro de Operações do Comando Militar do Oeste (CMO). 

O sistema é um projeto comandado pelo Exército, com amplitude nacional com instalação de bases móveis, radares, sensores, comunicação integrada e criptografada, desenvolvimento de softwares e infraestrutura para monitorar e vigiar 16.886 quilômetros na faixa de fronteira, abrangendo 588 cidades no Brasil, em 11 Estados.   

Conforme o general de brigada de Exército e gerente de implantação do sistema no Centro Oeste, Elias Martins, o Sisfron que já em fase de execução inicial e projeto piloto em Mato Grosso do Sul terá uma grande importância no que tange a vigilância na região de fronteira. “Não temos muro. Nosso muro será virtual e a nossa parede será o peito de cada policial, de cada soldado, de cada agência fiscalizadora, que tem condições e dever de proteger a nação brasileira”, declarou. 

De acordo com o general Juarez Aparecido de Paula Cunha,  comandante do CMO, com o inicio do Sisfron, os sul-mato-grossenses perceberão as atividades através da movimentação dos órgãos envolvidos, principalmente do Exército. “O início das operações do Sisfron ficarão mais perceptíveis com os atuadores do Exercito, nossa tropas fazendo concentrando postos de controle de trânsito, fazendo deslocamentos para ocupação de pontos, que não são fixos, e no trabalho junto com os demais órgãos de segurança, como PRF, PF, órgãos estaduais. Essa percepção acontecerá neste sentido. 

Estaremos desenvolvendo várias operações, muitas vezes de caráter especial. O que vai se perceber em decorrência disso é uma sensação de segurança”. O combate ao crime organizado terá uma grande ajuda com a implementação do Sisfron, por conta da vigilância forte pelo Estado, segundo a constatação do superintendente Polícia Federal em Mato Grosso do Sul, Edgar Paulo Marcon. “Nós da Polícia Federal temos controle e acompanhamento da maioria da organizações criminosas, e aí que o sistema Sisfron capitaneado pelo Exército Brasileiro muito vai nos ajudar. Porque geralmente quando nós acompanhamos determinadas quadrilhas e facções criminosas, nós temos noção do que está acontecendo na ponta. 

Exemplo: No tráfico de entorpecentes ou de armas, sabemos quem são fornecedores, e temos controle, e sabemos quem tá comprando essas armas e drogas. A deficiência é justamente no transporte, o ponto de saída seja das drogas, dos o países vizinhos, ou das armas, que vem da América do Norte, do oriente da Europa, que utilizam esses países de fronteira também como passagem como rota. Aí justamente, que o Sifron nos dará uma grande ajuda. Combinaremos a inteligência da PF com os instrumentos que estão desenvolvidos no Sisfron, para que nós consigamos impedir com que essas drogas ilícitas adentrem em território nacional”, creditou. Aeronaves não-tripuladas Ainda durante a coletiva o general de brigada de Exército, Elias Martins, informou que Mato Grosso do Sul até o fim do ano estará equipado com Veículos Aéreos Não Tripulados (Vants). 

Ele afirmou que o Estado deverá receber vats com classificações 0 e 1, que são operados pelas Forças Armadas em geral.  “Vamos realizar as experimentações para identificar se eles [Vants] atenderão os requisitos operacionais que nós estabelecemos. Estamos aguardando esses Vants, tanto aqui na nossa inteligência militar, quanto na bateria de busca de alvos em Nioaque, para fazermos os testes, para identificar aquele que atende melhor a operacionalidade”, explicou. O Sisfron irá vigiar mais de 2,5 mil quilômetros da faixa de fronteira entre Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, com habilitações de infovias (vias de comunicação), instalando 21 sensores fixos e 2 sensores móveis, além de trabalhar no lançamento do 1º satélite brasileiro de vigilância. 

A previsão de conclusão é para o ano de 2017, com custo avaliado em R$ 12 bilhões, em sua totalidade no Brasil.


http://www.diariodigital.com.br/geral/exercito-apresenta-sisfron-e-detalha-operacao-de-vigilancia-forte-na-f/121969/

Civil é condenado a 30 dias por postar fotos com uniforme militar no Facebook

17:18h
  1. Foto: Diário de Pernambuco

O plenário do Superior Tribunal Militar (STM) condenou um civil que postou fotos em seu perfil do Facebook vestindo um uniforme militar, sem permissão e de forma indevida. O homem foi condenado a 30 dias de detenção. 
É definido como crime o uso por civis de uniforme, distintivo ou insígnia militar, de acordo com o artigo 172 do Código Penal Militar. O homem, segundo o STM, se paossou por um 2º tenente em sua rede social e postou várias fotografias usando uniformes que são de uso exclusivo do exército brasileiro. 
O jovem também é acusado de ter se passado pelo filho do chefe do Estado-maior da 4ª Brigada de Infantaria Motorizada para conseguir vantagens. Segundo o Migalhas, a defesa pediu a absolvição do réu, argumentando que a sua atitude não provocou dolo e com base nos princípios da insignificância e intervenção mínima. 
Mas, o relator do caso, o ministro José Barroso Filho não acolheu o argumento da defesa. De acordo com o ministro o dolo causado pela atitude do réu é claro, pois houve a tentativa consciente do acusado de se passar por militar: “nem mesmo os argumentos defensivos de que a conduta do acusado foi 'mera brincadeira', invocando os princípios da intervenção mínima e da insignificância, merecem melhor sorte”.


http://www.jornaldiadia.com.br/news/noticia.php?Id=46131#.VGDm7PnF9qU

“Não serei submisso ao Planalto”, diz Eduardo Cunha

Fernando Rodrigues

Deputado do PMDB é candidato a presidente da Câmara em 2015
Cunha diz querer construir “relação de respeito'' com governo e oposição
Planalto tenta, mas fracassa seguidamente ao tentar frear peemedebista
Eduardo Cunha, em entrevista 15.out.2014 ao "Poder e Política" (foto: Sérgio Lima)
Eduardo Cunha, em entrevista 15.out.2014 ao “Poder e Política'' (foto: Sérgio Lima)
O deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) declarou na manhã desta segunda-feira (10.nov.2014) que não pretende ser um candidato a presidente da Câmara submisso ao Palácio do Planalto.
“Não sou candidato de oposição nem quero ser candidato de oposição. Mas também não quero ser um candidato submisso ao governo. Quero apenas construir uma relação de respeito com o governo e com a oposição”, disse Eduardo Cunha ao UOL pouco antes de se encontrar hoje cedo com o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), que vai ajudá-lo na campanha para presidir a Câmara em 2015.
A Presidência da Câmara é um posto muito disputado por exalar poder político. É o terceiro cargo na República. Quando se ausentam a presidente e o vice, quem assume o Palácio do Planalto é o chefe da Câmara dos Deputados.
Além disso, o regime no Congresso é presidencialista. Os presidentes da Câmara e do Senado controlam orçamentos gigantes (maiores do que os de muitos Estados) e têm o poder absoluto para formular a pauta de votações da Casa.
Se há um pedido de cassação de mandato ou de impeachment presidencial, quem decide em grande parte o rito processual é o presidente da Câmara. Como se sabe, em 2015 deve eclodir, com toda a sua força, o escândalo revelado pela Operação Lava Jato, que identificou crimes de corrupção dentro do Petrobras com possíveis ramificações no Congresso e no Poder Executivo.
Os presidentes da Câmara e do Senado em 2015 serão os senhores do tempo e das atitudes quando uma CPI analisar os casos de corrupção na Petrobras. Inclusive se o cenário evoluir para algum pedido de impeachment da presidente.
O Palácio do Planalto tem reclamado da antecipação do processo de sucessão na Presidência da Câmara. Eduardo Cunha rebateu essa preocupação na sua conversa hoje cedo com o UOL:
“Uma vez terminada a eleição de 2014, não havia como ser de outra forma. Nas outras vezes, em 2006 e 2010, os candidatos do PT a presidente da Câmara começaram da mesma forma suas campanhas logo depois de garantirem seus mandatos nas urnas. Arlindo Chinaglia [PT-SP] e Marco Maia [PT-RS] fizeram isso. Agora, a diferença é que há um candidato do PMDB”.
Na avaliação de Cunha, interessa apenas ao governo e ao PT interromper agora o processo de sucessão na Presidência da Câmara. Imaginam que assim poderiam produzir algum outro candidato mais palatável ao Planalto. Mas ele, Cunha, não pretende interromper sua campanha.
Nesta semana, o peemedebista deve continuar a ser reunir com bancadas partidárias para tentar fechar apoios à sua candidatura.
RESISTÊNCIA NO PMDB
Cunha enfrenta, entretanto, um problema dentro do seu próprio partido. O presidente nacional do PMDB, Michel Temer, que também é o vice-presidente da República, ficou irritado com uma entrevista que Cunha concedeu ao programa “Poder e Política”, em outubro.
Na entrevista de 15.out.2014, Cunha disse que Michel Temer, se perdesse a eleição presidencial na chapa com Dilma Rousseff, “dificilmente” teria “condição política de conduzir uma participação no governo [de Aécio Neves]. Mas também não teria condição dentro do PMDB de levar o PMDB para a oposição se a bancada está dividida, está rachada; se dentro dos Estados os apoios políticos estão rachados”.
Eis o trecho da entrevista em que Cunha fala de Temer:
Michel Temer interpretou a declaração de Cunha como uma tentativa de derrubá-lo da presidência do PMDB. Por essa razão, Temer teria iniciado um processo para tentar dinamitar a pretensão de Cunha de ser presidente da Câmara.
O vice-presidente da República escalou um de seus aliados mais próximos, o ministro Moreira Franco (Aviação Civil), cuja função no governo é quase nenhuma e passa parte dos seus dias telefonando para jornalistas e congressistas fazendo intrigas políticas. Essa já foi uma função ocupada por Moreira Franco no governo de Fernando Henrique Cardoso, quando tinha uma sala no Palácio do Planalto apenas para “fazer política”.
A dupla Temer-Moreira se desdobra para tentar demonstrar fidelidade ao governo, derrubar Cunha e assim ter mais proeminência no 2º mandato de Dilma.
O Planalto fica espremido em meio a um dilema: avança mais para destruir as pretensões de Cunha (e se arrisca aí a ter um inimigo eterno no caso de vitória do peemedebista) ou tenta fazer algum acordo de procedimentos a partir de já.
Por essa razão, o ministro da Articulação Política, Ricardo Berzoini, foi ao seu perfil no Twitter ontem, domingo (9.nov.2014), para tentar debelar uma informação sobre a carga do Palácio do Planalto contra Eduardo Cunha:
Berzoini negou (de maneira dura, porém protocolar) que tivesse sido escalado por Dilma para fazer um alerta ao PMDB contra Eduardo Cunha. Após escrever essas notas no Twitter, Berzoini falou pelo menos com um cacique do PMDB para tentar minimizar a campanha anti-Cunha que o Planalto faz no momento.
Eis os tuítes do ministro de Dilma:
Bezoini-Twitter-9nov2014
CHANCES DE CUNHAÉ impossível saber hoje quem será eleito presidente da Câmara logo após a posse das novas bancadas, em 1º.fev.2015.
Em tese, o cargo fica com o partido que tem a maior bancada. No caso, o PT. Mas essa regra já foi rompida muitas vezes.
O PT terá 69 deputados. Elegeu 70, só que a Justiça Eleitoral acaba de aceitar o recurso de um político do Paraná, do Solidariedade, e os petistas devem ter 69 cadeiras na Câmara a partir do ano que vem.
O PMDB terá 66 deputados. É uma diferença de apenas 3 cadeiras.
A favor de Eduardo Cunha há, neste momento, um sentimento forte anti-PT dentro do Congresso. Não há também na lembrança dos deputados mais antigos muito afeto pelos petistas que postulam o cargo de presidente da Câmara –Arlindo Chinaglia e Marco Maia. Tanto Chinaglia como Maia não foram presidentes populares da Câmara.
A esta altura, a única chance de o governo e o PT derrotarem Cunha é tentar miná-lo dentro do seu próprio partido, o que tem sido tentado. Mas o deputado peemedebista é diligente –como mostra a sua agenda. Hoje, segunda-feira (10.nov.2014), ele já estava com o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, antes da 9h da manhã. Pezão é o governador mais forte do PMDB e um aliado tanto de Cunha como do Planalto.
No final do dia, Cunha já estará em Brasília para continuar sua rodada de conversas com deputados que podem elegê-lo em 2015.
Para complicar, o PMDB deve formalizar um bloco partidário que dará à legenda o comando de um grupo de deputados maior do que o da bancada do PT.
Cunha deve ser um candidato a presidente da Câmara “avulso”, como se diz no jargão do Congresso. Será bancado informalmente pelos votos do seu bloco partidário. Nesse caso, o PMDB não dirá que tem um candidato a presidente da Câmara (vaga que em geral cabe ao partido com maior número de deputados, o PT).
Como não terá candidato formal a presidente da Câmara, caberá ao PMDB fazer a primeira escolha na divisão dos cargos da Mesa Diretora da Casa. Os peemedebistas devem escolher a vaga de primeiro vice-presidente. Isso alijaria o PT do comando no caso de vitória de Cunha.
http://fernandorodrigues.blogosfera.uol.com.br/2014/11/10/nao-serei-submisso-ao-planalto-diz-eduardo-cunha/