sábado, 13 de dezembro de 2014

PAPÉIS APREENDIDOS PELA PF CONFIRMAM REUNIÃO DE JANOT COM EMPREITEIRAS

ricardo pessoa preso by Marcos Bezerra:AE
Ricardo Pessoa, ao ser preso em 28 de outubro
Papéis apreendidos pela Polícia Federal em 14 de novembro passado no apartamento do dono da empreiteira UTC Engenharia, Ricardo Pessoa, confirmam pelo menos uma reunião mantida com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, com o suposto objetivo de amenizar a denúncia contra os corruptores e manter o governo Dilma Rousseff de fora da acusações. A apreensão dos papéis, seis páginas, foi noticiada no jornal Folha de S. Paulo desta segunda-feira (8). Nesse papéis, a reunião com Janot foi qualificada de “boa”.
Datado de 28 de outubro de 2014, o papel diz que a reunião com Janot teve a participação de quatro advogados, incluindo “MTB”, iniciais pelas quais era conhecido o criminalista e ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, que morreu no dia 20 de novembro. Ele era uma espécie de coordenador informal das defesas dos envolvidos na Lava Jato.
Ao lado de outros cúmplices, Ricardo Pessoa foi preso na Operação Lava Jato, deflagrada pela Polícia Federal para cumprir determinação do juiz Sergio Moro, titular da Vara Federal Criminal de Curitiba.
As anotações manuscritas nessas seis páginas revelam estratégias jurídicas adotadas pelas empresas investigadas pela Operação Lava Jato para tentar levar a investigação à nulidade e ao arquivamento.
Um dos principais esforços das empresas, segundo as anotações, é “fragilizar” ou “eliminar” as delações premiadas realizadas até aqui ao menos por cinco investigados, incluindo o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. Os papéis também preveem “campanha na imprensa [...] para mudar a opinião pública”.
O advogado Pierpaolo Bottini confirmou à Folha que participou da reunião no gabinete de Janot e disse que foi “formal” e “absolutamente legítima”, .
Janot confirmou ao “Jornal Nacional” de sábado (6) três reuniões com advogados de empreiteiras, mas que foram inconclusivas porque eles não aceitaram a premissa de que seus clientes cometeram crimes.
Outro papel indica que as empreiteiras queriam acordo para não serem declaradas inidôneas para novos contratos com o governo. “E sem delação premiada”, diz o texto.
Os papéis indicam plano paralelo –chamado de “Proj. [Projeto] Tojal”, em referência ao escritório Tojal Renault Advogados Associados– com três metas: “Trazer a investigação para o STF”, “estudar o acordo (a melhor forma)” e “fragilizar as delações”.
A “proposta de trabalho” referente à Lava Jato prevê honorário de R$ 2 milhões e mais R$ 1,5 mi “condicionado ao sucesso”
http://www.diariodopoder.com.br/noticias/papeis-apreendidos-pela-pf-confirmam-reuniao-de-janot-com-empreieteiras/

PRESIDÊNCIA DO PT DÁ VIDA DE MARAJÁ A RUI FALCÃO

Cessna Citation CJ3, prefixo PP-MPP, usado por Rui Falcão para ir de São Paulo a Florianópolis.
Foto: Marcello Casal / ABr
Rui Falcão, presidente do PT. Foto: Marcello Casal / ABr
O ex-jornalista Rui Falcão, 71, subiu muito na vida após assumir a presidência do PT, em 2011. Ex-militante da organização clandestina VAR-Palmares e ex-sindicalista, Falcão se rendeu aos encantos da burguesia e agora leva vida de marajá, com hábitos de milionário, que revela ao usar o jatinho Cessna Citation CJ3, prefixo PP-MPP, que alugou ontem para uma viagem solitária de São Paulo a Florianópolis.
O jato fretado à TAM custou R$ 20 mil. A mesma empresa cobra vinte vezes menos por passagem em avião de carreira, no mesmo trecho.
Nascido em bases operárias, o PT agora enricou, recebendo “doações” milionárias de empresas que prestam serviços aos governos petistas.
Parte do dinheiro roubado da Petrobras foi entregue ao PT por meio de “doações” oficiais, segundo executivos presos na Operação Lava Jato.
Empresas contratadas nos governos Lula e Dilma fazem “doações” estranhas. Só em 2013, ano não-eleitoral, foram R$ 79,7 milhões. Leia na Coluna Cláudio Humberto.
http://www.diariodopoder.com.br/noticias/presidencia-do-pt-da-vida-de-maraja-a-rui-falcao-2/

Cerca de 10 mil produtos falsificados apreendidos no Centro

Cerca de dez mil itens falsificados foram retirados de lojas do Centro de Juiz de Fora, na manhã deste sábado (13). O trabalho foi realizado pela Polícia Civil e contou com 40 policiais da 1ª Delegacia Regional sob o comando da delegada Ione Barbosa. Batizada de operação “Réplica”, a ação também conduziu, pelo menos, 20 pessoas responsáveis pelos estabelecimentos comerciais para a unidade policial. A operação, que pode ter mais desdobramentos na próxima semana, se concentrou em lojas de um shopping e nas ruas Halfeld e Marechal Deodoro, para o cumprimento de 17 mandados de busca e apreensão. O objetivo foi retirar do comércio produtos falsificados, proporcionando ao consumidor juiz-forano mais qualidade nas compras natalinas. Um caminhão foi necessário para levar à delegacia centenas de peças de roupas, celulares, relógios e pares de tênis.
Como hoje o sistema da delegacia estava inoperante, todos os conduzidos foram liberados, mas estão intimados a voltar, na segunda-feira, para prestar depoimentos. De acordo com a delegada Ione, as pessoas envolvidas poderão responder pelos crimes de fraude no comércio, contra a Lei de Propriedade Industrial e contra a ordem econômica e relações de consumo. “Este último crime prevê de dois a cinco anos de prisão”, ressaltou a delegada, acrescentando que as lojas nas quais foram encontradas irregularidades serão oficializadas à Prefeitura quanto ao alvará de funcionamento e também à Receita Estadual.
“Esses produtos de origem duvidosa são nocivos à saúde do consumidor, deixam de ser tributados, gerando prejuízos ao Fisco e também à indústria como um todo. Isso afeta, inclusive, a empregabilidade em nosso país”, alertou Ione, afirmando que exemplares do material apreendido serão periciados, a fim de que o resultado seja incorporado ao inquérito.
http://www.tribunademinas.com.br/cerca-de-10-mil-produtos-falsificados-apreendidos-no-centro/

EMPRESA DE FILHO DE MINISTRO MERCADANTE FATURA R$148 MILHÕES

Aloizio Mercadante (Casa Civil) e o filho, Pedro,  vice-presidente da Petra Energia. Foto: Rodrigo Zorzi

Petra Energia S/A, que tem como vice-presidente Pedro Barros Mercadante Oliva, filho do ministro Aloízio Mercadante, faturou R$ 148,1 milhões do governo federal entre 2013 e 2014, quando o petista se transformou no poderoso chefe da Casa Civil. Segundo o Sistema Integrado de Informações Financeiras do Governo Federal (Siafi), a verba foi empenhada pelo Ministério de Ciência e Tecnologia, que foi comandado pelo mesmo Aloizio Mercadante nos anos de 2011 a 2012.
Da verba empenhada pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), do ministério, R$ 47,1 milhões já foram pagos à Petra Energia.
Em 2013, o ministério empenhou R$ 42,8 milhões para a Petra Energia em agosto, e mais R$ 47,6 milhões no mês seguinte, setembro.
Fundada em 2008 para explorar petróleo e gás, a Petra virou a maior  concessionária de blocos de terra do País, tem áreas em MG, MA e AM
O presidente da Petra, Roberto Viana, já perfurou 16 poços na Bacia de São Francisco (MG), e tem expandido negócios para África. Hum… Leia na Coluna Cláudio Humberto.
http://www.diariodopoder.com.br/noticias/empresa-de-filho-de-ministro-fatura-r148-milhoes-2/

PRF apreende 14 CNHs após baile

Quatorze carteiras nacionais de habilitação (CNHs) foram apreendidas pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) durante operação Esculápio II, que teve início na última quinta-feira (11) e se estendeu até a manhã deste sábado (13). O objetivo da ação foi flagrar motoristas que haviam consumido álcool e estavam na direção de veículo na BR-040. Segundo Flávio Loures de Barros, chefe do Núcleo de Policiamento e Fiscalização da 5ª Delegacia de Polícia Rodoviária Federal, a maioria dos motoristas penalizados com o recolhimento do documento de habilitação havia participado de um baile de medicina, no Expominas, na altura do Km 790 da BR-040, Zona Norte de Juiz de Fora.
Ao todo foram realizados 385 testes de etilômetros e fiscalizados mais de 400 veículos. “A ação teve caráter educativo e preventivo, uma vez que deu oportunidade aos condutores de verificarem a dosagem de álcool no sangue”, informou Loures. Como alguns se negaram a soprar o bafômetro, foram penalizados com o recolhimento da CNH e multa.
Em setembro, a PRF realizou operação nos mesmos moldes, após a saída de outro baile de formatura de uma turma de medicina, no mesmo local. Na operação” Esculápio I”, 22 carteiras também foram apreendidas. A operação foi batizada de “Esculápio”, em referência à grafia em latim do Deus da medicina. Em 2011, um acidente envolvendo um carro que havia acabado de sair de outra festa no mesmo local matou um jovem e deixou outras quatro pessoas feridas.
Somente neste ano, conforme o balanço da PRF, 270 motoristas foram flagrados conduzindo veículos após a ingestão de bebidas alcoólicas nas estradas federais da região.
http://www.tribunademinas.com.br/prf-apreende-14-cnhs-de-condutores-alcoolizados-apos-baile/

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

PIADA DE CASERNA


Floriano é um militar que passou para a reserva, encaminhou o currículo para várias instituições e foi contratado pelo Carrefour para recepcionar os clientes.

Mas ele tinha dificuldade de chegar ao trabalho na hora.

Todos os dias chegava com 5 ou 10 minutos de atraso.

Porém, ele cativava a clientela, realizava um ótimo trabalho, estava sempre muito bem arrumado e bem barbeado, tinha uma incrível agilidade mental, sempre correto e disciplinado.

Realmente era uma excelente aquisição para a empresa, com a sua fina educação e a conduta serena e amistosa de pessoa mais velha, experiente.

Um dia o chefe chamou-o ao gabinete para uma conversa.

- Floriano, eu gosto muito de você, da sua cordialidade, você é sempre muito prestativo, simpático, agradável com os clientes e, acima de tudo, faz um trabalho fantástico. Mas, esses seus atrasos, repetidas vezes, isso é uma coisa um tanto... Desagradável.

- Eu sei, chefe, mas eu estou trabalhando para resolver isso.

- Era exatamente isso que eu queria ouvir. Ótimo!

Eu sei que você é uma pessoa disposta, que gosta de trabalhar em equipe. Por isso é que estranho que você esteja chegando atrasado, pois eu sei que você pertenceu às Forças Armadas. E então, o que eles diziam lá quando você chegava atrasado?





- Eles diziam: Bom dia General, posso servir-lhe um cafezinho?

Justiça restringe propaganda de cervejas e vinhos em todo o país.

RIO — O Tribunal Federal da 4ª Região, do Rio Grande do Sul, determinou nesta quinta-feira que a União e a Anvisa passem a aplicar novas restrições às propagandas de bebidas com teor alcoólico igual ou superior a 0,5 grau Gay Lussac. A decisão, efetuada a pedido do Ministério Público Federal (MPF), estende aos anúncios publicitários de cervejas e vinhos limitações previstas na Lei 9.294/96, que valiam apenas para bebidas com mais de 13 graus.

A decisão se aplica a todo território nacional e terá validade a partir de 180 dias depois da publicação do acórdão — limite do prazo para que os contratos comerciais sobre propagandas de bebidas alcoólicas sejam adequados à determinação. Ainda cabe recurso.

Entre as restrições previstas, está a limitação da exibição da publicidade das bebidas em emissoras de rádio e televisão apenas entre 21h e 6h, sendo que, até as 23h, apenas no intervalo de programas não recomendados para menores de 18 anos.

Também fica proibida a associação do produto ao esporte olímpico ou de competição, ao desempenho saudável de qualquer atividade, à condução de veículos e a imagens ou ideias de maior êxito ou sexualidade das pessoas. A veiculação de propagandas em trajes esportivos, relativas a modalidades olímpicas, também fica vedada.

Além disso, há restrições referentes às embalagens dos produtos. A partir de agora, os rótulos bebidas devem conter a advertência "Evite o Consumo Excessivo de Álcool".

Por último, os locais que vendem essas bebidas alcoólicas deverão fixar uma advertência escrita em sua parte interna alertando que é crime dirigir sob a influência de álcool, punível com detenção.

A decisão é oriunda do julgamento conjunto de três ações sobre a mesma temática. Na ação civil pública originária, o MPF alegou haver evidências científicas de que ocorre a associação entre a publicidade e maiores expectativas do consumo de álcool, bem como o início precoce deste uso e um consumo mais intenso. A entidade ainda argumentou que no Brasil há um alta exposição de menores de idade às propagandas de bebidas alcoólicas, o que acaba influenciado o maior consumo dessas substâncias pelos jovens.

Os argumentos do MPF se basearam em pesquisas feitas por entidades nacionais e internacionais, segundo as quais o consumo não racional de bebidas alcoólicas produz índices alarmantes de danos à integridade física e psíquica tanto do usuário como da sociedade em geral:

"O álcool é responsável por mortes violentas, abuso sexual, agressões, acidentes de trânsito, violência doméstica, diversas enfermidades, inclusive do feto e recém-nato de mãe alcoolista, exposição a comportamentos de risco, como direção sob efeito de álcool, sexo sem proteção e uso de outras drogas”, dizem os procuradores que assinam a ação.


http://oglobo.globo.com/sociedade/justica-restringe-propaganda-de-cervejas-vinhos-em-todo-pais-14808072?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_campaign=O%20Globo

UTILIDADE PÚBLICA - HMTJ deixa de atender urgência

Suspensão se deve à ausência de repasse estadual e atraso em credenciamento de leitos por parte do Ministério da Saúde.

Por Kelly Diniz

Newton Ferreira, diretor do hospital:”Não tem como continuar na rede sem garantias de repasse”

Devido à ausência de repasses por parte dos órgãos públicos, o Hospital e Maternidade Therezinha de Jesus (HMTJ) suspendeu ontem, a partir das 19h, os atendimentos oriundos da Rede de Urgência e Emergência (RUE) da Macrorregião Sudeste. De acordo com o diretor do HMTJ, Newton Ferreira, os médicos que atuam na rede estão receosos em assumir escalas regulares e sobreaviso por falta de expectativa profissional futura devido a atrasos no pagamento, chegando a instituição a receber três pedidos de demissão oficializados ontem. “Nós já pegamos R$ 5 milhões de empréstimo em bancos e vamos pegar mais R$ 2 milhões essa semana para garantir o pagamento do 13º salário dos funcionários. Não tem como continuar na rede sem garantias de repasse.”
O diretor ainda informou que somente poderão voltar com os atendimentos quando forem regularizadas as habilitações dos 97 leitos restantes por parte do Ministério da Saúde, além da liberação do repasse de R$ 10,8 milhões, referentes ao déficit acumulado pela entidade. Em outubro, somente 20 leitos de UTI foram credenciados pelo ministério. O repasse dos recursos na ordem de R$ 240 mil/mensais foram enviados para o município. No entanto, a Secretaria de Saúde ainda não liberou a verba para o hospital, que já acumula três meses, totalizando R$ 722.160,00. O secretário de Saúde de Juiz de Fora, José Laerte Barbosa, informou que o repasse não foi feito devido a burocracia que a secretaria precisa realizar. No entanto, ele se comprometeu junto ao Ministério Público, a transferir o dinheiro no prazo de sete dias.
O promotor de Defesa da Saúde, Rodrigo Barros, disse que irá entrar com uma ação civil pública pedindo intervenção do Estado na gestão e manutenção dos serviços prestados pelo HMTJ. “A suspensão desse serviço será um retrocesso incabível diante do trabalho e avanço que se conquistou na macrorregião com a Rede de Urgência e Emergência .”
Na ata da reunião realizada na última quarta-feira, o promotor conclui que a dificuldade financeira experimentada pelo HMTJ para manutenção dos serviços da rede decorre diretamente do não credenciamento dos serviços pelo Ministério da Saúde, o que se deve em parte à demora pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) em encaminhar os equipamentos acordados. O superintendente Regional de Saúde, José Eduardo Amorim, assumiu o compromisso de, no prazo de dez dias, buscar a transferência e entrega dos equipamentos. “O Estado tanto reconhece a importância do HMTJ na rede, que enviou um aporte financeiro na ordem de R$ 4 milhões para auxiliar o hospital. O recurso foi disponibilizado há 15 dias. No entanto, serão necessários vários levantamentos para podermos fazer nova propositiva de financiamento da rede. Sem recursos do ministério, fica impossível seu funcionamento.”

Samu Regional
Na reunião da última quarta-feira, o secretário-executivo do Consórcio Intermunicipal de Saúde da Macrorregião Sudeste (Cisdeste), João Paulo Damasceno, informou que a SES está com atraso de repasse ao Samu Regional na ordem de R$ 2,2 milhões mensais, relativos a outubro e novembro, bem como repasses de incentivos a diversos hospitais credenciados a rede. O superintendente assumiu o pagamento de todas as parcelas devidas relativa à rede, referentes a outubro e parte de novembro, até hoje. Caso o recebimento do recurso não seja confirmado até a próxima quarta-feira pelo Samu, o promotor irá entrar com ação civil pública contra o Estado para que seja realizado o pagamento, podendo até haver bloqueio dos recursos no tesouro estadual.
http://www.tribunademinas.com.br/hmtj-deixa-de-atender-urgencia/

PF APREENDE MANUSCRITOS COM NOMES DE POLÍTICOS

Por André Brito

Os primeiros nomes surgidos na investigação: senador Lindbergh Farias (PT-RJ), governador Luiz Fernando Pezão (PMDB-RJ), Alexandre PAdilha (PT-SP), senador Romerto Jucá (PMDB-RR) e deputada e ex-ministra Maria do Rosário (PT-RS)
A Polícia Federal apreendeu documentos nas sedes de duas empresas enroladas no esquema do Petrolão, Queiroz Galvão e Engevix, e encontrou dois manuscritos com nomes, no mínimo, curiosos.
lava-jato-documentosAs principais referências nos papéis encontrados na Queiroz Galvão são ao candidato petista derrotado para o governo de São Paulo, Alexandre Padilha, o senador Lindbergh Farias (PT) e Luiz Fernando Pezão (PMDB), que derrotou “Lindinho” (como está grafado no documento) na disputa pelo governo do Rio de Janeiro.
Outros nomes chamam atenção como “R. Jucá”, mas como o senador Romero Jucá (PMDB-RR) está no meio do mandato, as suspeitas recaem sobre seu filho, Rodrigo Jucá, vice na chapa de Francisco Rodrigues (PSB) ao governo de Roraima.
Na Engevix, a PF encontrou uma outra lista com o nome da ex-ministra dos Direitos Humanos, deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) e de outros deputados e candidatos petistas. Ouros políticos citados são Bittar, Picciani (PMDB), Jilmar Tato (PT-SP) e Milton Leite.
http://www.diariodopoder.com.br/noticias/pf-acha-manuscritos-com-nomes-de-politicos-em-empreiteiras/

Justiça suspende direitos políticos de Bejani

Juíza determina inelegibilidade de cinco anos por prática de nepotismo. Ex-prefeito deve recorrer da decisão.
Por Renato Salles

O Poder Judiciário do Estado de Minas Gerais comunicou à Câmara Municipal essa semana a decisão judicial que suspende por cinco anos os direitos políticos do ex-prefeito de Juiz de Fora, Carlos Alberto Bejani. A sentença em primeira instância foi assinada pela juíza Roberta Araújo Carvalho Maciel e diz respeito a uma ação civil de improbidade administrativa de autoria do Ministério Público (MP) do Estado de Minas Gerais, que indicou prática de nepotismo durante o segundo mandato de Bejani, entre 2005 e 2008.
O questionamento foi motivado pela nomeação de Vanessa Loçasso Bejani para a Secretaria Municipal de Política Social. Esposa do ex-chefe do Executivo, ela ocupou a titularidade da pasta entre 22 de novembro de 2007 e 17 de junho de 2008, mesmo dia em que Bejani apresentou sua renúncia, quando sua gestão estava cercada de suspeitas de irregularidades. A exoneração de Vanessa ocorreu a pedido do ex-prefeito José Eduardo Araújo, que assumiu a cadeira após a saída de seu antecessor.
Alem da suspensão dos direitos políticos por cinco anos, a sentença decreta perda de qualquer função pública que, por acaso, o ex-prefeito pudesse estar exercendo; veda a possibilidade de Bejani assinar contratos com o poder público e receber benefícios ou incentivos ficais ou creditícios; e estipula pagamento de multa civil equivalente a 50 vezes o valor – devidamente atualizado – da última remuneração recebida por Vanessa no exercício da função do cargo de secretária municipal.
Atualmente, a remuneração bruta dos secretários é de aproximadamente R$ 15 mil. Levando em conta esse valor, a sanção pecuniária definida em primeira instância poderia chegar a R$ 750 mil. Também arrolada como ré na ação de improbidade administrativa, Vanessa também foi condenada às mesmas sanções aplicadas ao marido. Em contato telefônico com a Tribuna, Bejani afirmou que ainda não havia sido notificado da decisão, mas já adiantou que o casal irá entrar com recurso.
“Não posso comentar a decisão pois ainda não fui notificado. Mas é claro que vamos entrar com recursos. Em meu entendimento, à época, não havia qualquer impedimento para a nomeação de minha esposa para uma autarquia que prestava serviços de ação social.” Com os direitos políticos suspeitos, o ex-prefeito voltou a afirmar que não possui mais aspirações de voltar a disputar um cargo eleitoral.
“Não sou mais candidato a nada. Minha carreira política se encerrou em 2008, quando apresentei minha renúncia. Há dois anos, quis ajudar o partido, tentando uma vaga como vereador, mas impugnaram minha candidatura. Não sou jurista, entretanto tenho algum conhecimento devido a meu trabalho político. A Constituição prevê que uma lei não pode retroagir, então, como posso me tornar inelegível por ter renunciado em 2008 e a lei (Lei da Ficha Limpa) ter sido sancionada em 2010?”
Histórico
Nas eleições municipais de 2012, Bejani tentou sair candidato a uma cadeira na Câmara pelo PSL, todavia, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) indeferiu o registro de candidatura do ex-prefeito. A negativa foi embasada no entendimento da retroatividade da Lei da Ficha Limpa. Assim, com renúncia ao mandato de prefeito em 2008, às vésperas da abertura de processo de cassação pela Câmara Municipal, o político teria infringido a Lei da Ficha Limpa, ficando sujeito a oito anos de inelegibilidade.
Em julho do ano passado, a mesma juíza já havia determinado a suspensão dos direitos políticos do ex-prefeito por oito anos. A sentença dizia respeito a ação civil pública proposta pelo MP, que questionava um possível enriquecimento ilícito e a prática de irregularidades administrativas durante o primeiro mandato do político à frente da Prefeitura, entre 1989 e 1992. À época, Bejani afirmou que iria recorrer da decisão.
http://www.tribunademinas.com.br/justica-suspende-direitos-politicos-de-bejani/

Clube Militar publica lista de mortos 'pelo irracionalismo do terror'

Lilian Quaino

O Clube Militar publicou na edição do jornal O Globo desta quinta-feira (11), um anúncio em que presta homenagem póstuma a 126 militares e civis mortos nas décadas de 1960 e 1970 “pelo irracionalismo do terror”. A homenagem acontece no dia seguinte à divulgação do relatório final da Comissão nacional da Verdade, entregue na quarta-feira (10) à presidente Dilma Rousseff. A presidente se emocionou ao receber o relatório e chegou a chorar ao fazer referência aos brasileiros que perderam parentes e amigos no combate à ditadura.
“In memoriam, Os Clubes Naval, Militar e de Aeronáutica prestam homenagem póstuma aos 126 brasileiros que perderam suas vidas pelo irracionalismo do terror, nas décadas de 1960 e 1970. Suas histórias, absurdamente, foram desprezadas pela Comissão Nacional da Verdade, um desrespeito às suas histórias e aos seus familiares. Roga-se uma prece por suas almas”, diz a íntegra da nota publicada hoje.

Wadih Damous, presidente da Comissão da Verdade no Rio de Janeiro, considerou a nota do Clube Militar despropositada e disse que o anúncio tenta confundir a sociedade em relação aos papéis desempenhados por cada um à época da ditadura. Ele disse que não há notícia de que militares mortos na época da ditadura tenham sito torturados, estuprados e esquartejados.

“Se houve mortes, foi em confronto com militantes”, afirmou.
O anúncio foi publicado no dia seguinte à divulgação de um editorial pelo site do Clube Militar, assinado pelo presidente do clube, general Gilberto Rodrigues Pimentel, na qual ele afirma que o relatório da Comissão Nacional da Verdade é um "absurdo". "O ódio e o desejo de vingança são tão grandes que um absurdo desses é assinado por advogados, juristas e professores universitários. Tudo em nome da causa socialista", diz um trecho.
Ainda segundo o editoral, o relatório é uma "peça requentada, porque só confirma bandeiras preexistentes na esquerda brasileira".
“Nosso objetivo com essa publicação é deixar clara a nossa posição em relação a Comissão da Verdade, que só aborda só um lado, daquelas que foram vítimas do estado. A Comissão está querendo fazer uma apuração da história assim. Nossa intenção é minimizar essa injustiça. Não somos a favor da ditadura, mas todos os lados têm que ser apurados”, explicou o coronel Ivan Cosme, diretor de Comunicação Social do Clube Militar.
Wadih Damous considerou o editorial uma provocação, porque, segundo ele, o relatório final da Comissão Nacional da Verdade citou "300 e poucos agentes que participaram de torturas" e, para chegar a esses nomes, a comissão agiu em obediência à lei.
"A comissão tinha que chegar à autoria dessas torturas e os autores foram apontados pelas próprias vítimas, e muitos dos acusados confessaram, como foi o caso de Paulo Malhães. Por isso não há calúnias nem mentiras no relatório", disse.
Confira abaixo o anúncio do Clube Militar publicado nesta quinta-feira:
A lista dos mortos homenageados pelo Clube Militar (Foto: Divulgação/Clube Militar)A lista dos mortos homenageados pelo Clube Militar (Foto: Divulgação/Clube Militar)
 Relatório final
O relatório final da Comissão Nacional da Verdade aponta 377 pessoas como responsáveis diretas ou indiretas pela prática de tortura e assassinatos durante a ditadura militar, entre 1964 e 1985 (veja lista com os nomes dos 377).
Com 4.328 páginas, o documento consolida o trabalho da comissão, após dois anos e sete meses de audiências públicas, depoimentos de militares e civis e coleta de documentos referentes ao regime militar (consulte a íntegra).
Segundo o documento, a identificação da autoria dos crimes foi feita com base em documentos, depoimentos de vítimas e testemunhas, inclusive de agentes públicos que teriam participado da repressão. A CNV afirma no relatório que, devido à falta de documentos, relatos ou testemunhas, há nomes "conhecidos" não incluídos na lista porque não foi possível comprovar a participação deles em violações de direitos humanos.
O relatório faz recomendações ao governo, entre as quais a de que os apontados como responsáveis de cometer crimes contra a humanidade respondam na Justiça e a do reconhecimento pelas Forças Armadas da sua responsabilidade pelas violações de direitos humanos.
A responsabilização criminal, que implicaria rever a Lei da Anistia, de 1979, não foi unanimidade entre os conselheiros da comissão.
O tema já foi tratado pelo Judiciário em 2010, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou uma ação da Ordem dos Advogados do Brasil que pedia que fosse declarada inconstitucional a Lei da Anistia. Por maioria absoluta, o Supremo apoiou a tese que garantiu a validade da Lei da Anistia para os delitos cometidos pelos dois lados durante a ditadura militar, beneficando de forma recíproca tanto os agentes de estado quanto os que aderiram à luta armada contra a ditadura. Ao G1,ministros que participaram daquele julgamento questionaram a possibilidade de punição.
Mudança de nome de ponte

Wadih Damous, presidente da Comissão Nacional da Verdade no Rio de Janeiro, participa na tarde desta quinta-feira de audiência pública em Volta Redonda, para discutir projeto de lei que pretende alterar o nome da Ponte Presidente Médici para Waldyr Calheiros.

De acordo com o Ministério Público Federal, a Deliberação 1.218, de 9 de novembro de 1973, que deu à ponte o nome de Presidente Médici, ofende o princípio da impessoalidade e o direito à memória. A recomendação do MPF pede a retirada do nome do ex-presidente de qualquer placa indicativa da ponte e que o novo nome seja escolhido, em 90 dias, por meio de discussão pública, com participação da sociedade civil, obedecendo normas constitucionais e legais.
 http://g1.globo.com/politica/noticia/2014/12/clube-militar-homenageia-brasileiros-mortos-pelo-irracionalismo-do-terror.html

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Ministério Público denuncia 35 investigados na Operação Lava Jato

Entre os denunciados estão o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef, além de 22 pessoas ligadas a empreiteiras.

AE e Terra
939075-cerver%C3%B3_petrobras_paulo-3.jpg
O Ministério Público Federal afirmou nesta quinta-feira, 11, que vai denunciar 35 pessoas suspeitas por ligação em um esquema de desvios envolvendo contratos da Petrobras, investigadas na Operação Lava Jato

Entre os denunciados estão o ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa, o doleiro Alberto Youssef, além de 22 pessoas ligadas a empreiteiras.

São citadas na denúncia a OAS, Camargo Corrêa, UTC, Mendes Jr., Engevix e Galvão Engenharia, todas alvo da sétima etapa da Lava Jato. Neste momento, o procurador Deltan Dallagnol apresenta os detalhes da denúncia.

De acordo com o procurador, foram identificados 154 atos de corrupção e 105 atos de lavagem de dinheiro.

O MPF quer o ressarcimento de R$ 971.551.352,28 de contratos que foram alvo de investigação entre 2004 e 2012. As investigações apontam para R$ 286.421.928,74 usados para pagamento de propinas de envolvidos no esquema. Entre as 35 pessoas que vão responder pelos crimes na Justiça, 22 estão diretamente ligadas às principais empreiteiras do País, como Camargo Corrêa/UTC, Engevix, Galvão Engenharia, Mendes Junior e OAS.

A força-tarefa informou que as empreiteiras pagavam propina de 1% a 5% do preço dos contratos para conseguir vencer os processos licitatórios. O dinheiro era entregue para diretores da Petrobras após serem lavados por operadores do esquema, por meio de contas no exterior ou de presentes dados diretamente aos agentes políticos. Três grupos faziam parte do esquema: os de operadores, formados por doleiros como Alberto Youssef e Enivaldo Quadrado; o de empresários; e dos agentes públicos, como Paulo Roberto Costa.

Confira os denunciados pelo MPF nesta nova fase da Lava Jato:
Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras

Alberto Youssef

José Humberto Cruvinel Resende

Agenor Franklin Magalhães Medeiros, diretor-presidente da Área Internacional da Construtora OAS S.A

Carlos Eduardo Strauch Alberto, diretor técnico da Engevix Engenharia S/A

João Ricardo Auler, presidente do Conselho de Administração da Construções e Comércio Camargo Correa S.A

Eduardo Hermelino Leite, alcunha ‘Leitoso’, diretor vice-presidente da Camargo Correa S.A., São Paulo, SP

João Procópio Junqueira Pacheco de Almeida

Sérgio Cunha Mendes, diretor vice-presidente Executivo da Mendes Júnior Trading Engenharia S/A, Brasília-DF

Carlos Alberto Pereira da Costa

Enivaldo Quadrado

Rogério Cunha de Oliveira, diretor da Área de Óleo e Gás (ANOG) da Mendes Júnior Trading e Engenharia

Angelo Alves Mendes, diretor Vice-Presidente da Mendes Júnior Trading e Engenharia S.A

Alberto Elísio Vilaça Gomes

Antonio Carlos Fioravante Brasil Pierucinni

Mário Lúcio de Oliveira

Ricardo Ribeiro Pessoa, responsável pela UTC Participações S.A.

João de Teive e Argollo

Sandra Raphael Guimarães

Marcio Andrade Bonilho

Jayme Alves de Oliveira Filho, o “Careca”, agente da Polícia Federal

Adarico Negromonte Filho, irmão do ex-ministro das Cidades e deputado federal Mário Negromonte (PP-BA)

José Aldemário Pinheiro Filho, presidente da OAS

José Ricardo Nogueira Breghirolli, funcionário da Construtora OAS

Fernando Augusto Stremel Andrade, OAS

João Alberto Lazarri

Gerson de Mello Almada, vice-presidente da Engevix Engenharia S.A.

Newton Prado Junior, diretor técnico da Engevix Engenharia S/A

Luiz Roberto Pereira, Paulo/SP

Erton Medeiros Fonseca, diretor-presidente da divisão de Engenharia Industrial da empresa Galvão Engenharia S.A.

Jean Alberto Luscher Castro

Dario de Queiroz Galvão Filho

Eduardo de Queiroz Galvão

Waldomiro de Oliveira
http://www.istoe.com.br/reportagens/396274_DENUNCIADOS+MINISTERIO+PUBLICO+DENUNCIA+35+INVESTIGADOS+NA+OPERACAO+LAVA+JATO?pathImagens=&path=&actualArea=internalPage

ANIVERSÁRIO DE AMIGOS - 11.12.14

Vitinho Roux

Josiana Rocha Canalli

Rodrigo Matos



terça-feira, 9 de dezembro de 2014

NOME DO VICE MICHEL TEMER APARECE EM PLANILHA DE EMPREITEIRA DO PETROLÃO

Foro:
Dilma ao lado do seu vice Michel Temer, citado em planilha da empreiteira Camargo Correa ao lado de um valor: US$ 40 mil.
A Polícia Federal apreendeu planilhas na sede da empreiteira Camargo Correa, em São Paulo, com nomes de políticos como o vice-presidente Michel Temer (PMDB) ao lado de valores em dólares e de obras de infraestrutura estimadas também na moeda estrangeira. Os políticos aparecem em tabelas, organizadas por partidos. Os políticos citados nas planilhas vem acompanhados por números isolados. A primeira tabela é reservada aos políticos do PT. São feitas duas referências a Temer no documento, cada uma seguida pelo valor de US$ 40 mil.
Por meio de sua assessoria, Temer negou vínculo com a empreiteira e afirmou que ele nunca recebeu recursos da Camargo Corrêa “a qualquer título”. O vice-presidente também garante que nunca destinou emendas para obras em Araçatuba e nem para obras rodoviárias em Praia Grande, quando foi deputado federal. São cidades que aparecem ao lado do nome de Temer nas planilhas apreendidas pela PF na sede da empreiteira, ao lado dos valores de US$ 40 mil. A informação é de reportagem de Ricardo Brandt, Ricardo Chapola e Fausto Macedo, do jornal O Estado de S. Paulo.
Na mesma tabela, constam nomes de outros deputados, senadores e prefeitos.
A PF não faz nenhuma análise sobre o documento porque os políticos mencionados detêm foro privilegiado perante os tribunais
superiores – no caso dos parlamentares, o Supremo Tribunal Federal (STF) detém competência exclusiva para abrir investigação.
Sem autorização do STF, a PF não pode investigar deputado nem senador.
A PF apenas juntou aos autos da Operação Lava Jato o documento apreendido na empreiteira, que é alvo da investigação por suspeita de
ter integrado o cartel que assumiu o controle dos maiores contratos da Petrobrás.
Não há nenhuma menção nas planilhas encontradas na empreiteira a um suposto caixa 2 ou pagamento de propinas. São nomes lançados ao lado de valores. Na apreensão, a PF também encontrou planilhas que apontam doações que teriam sido feitas pela empresa a políticos do PT, PSDB,
PMDB, DEM, PDT e PT nas eleições de 2012.
O material foi apreendido pela polícia durante o cumprimento de um dos mandados de busca da Operação Lava Jato, que investiga um
esquema de corrupção na Petrobrás envolvendo políticos e empreiteiras.
O criminalista Celso Vilardi, constituído pela Camargo Corrêa, disse que não iria comentar o documento apreendido pela PF porque não
teve acesso a ele.
Lava Jato 01Lava Jato 02Lava Jato 03Lava Jato 04
 http://www.diariodopoder.com.br/direitojustica/nome-do-vice-michel-temer-aparece-em-planilha-de-empreiteira-do-petrolao/